domingo, 25 de agosto de 2013

sábado, 3 de agosto de 2013

Do vazio que é não sentir

Tarde de sábado.
Vi um filme que acordou - ou pelo menos tentou acordar aquela parte de mim. 
Aquela parte em que o tentar pôr todas minhas experiências em forma de poesia, de achar que tudo é feito de amor e poesia. 
Mas não acordou.
Ainda continuo naquele limbo de total inércia, o qual é tudo tão superficial (ou seria abstrato?)
Procuro incansavelmente um jeito do sentir ser a única forma pura de viver, de sentir. 
Eu apenas vejo os sentimentos na minha frente, me atravessando e indo embora.
Mas não os sinto.
Eu não os vivo.