sexta-feira, 30 de setembro de 2011

(Re)viver, (re)começar, (re)amar.

Eu sei, eu sei que todo recomeço é meio difícil mesmo. Ter que pegar aquele futuro planejado, abrir a cesta de lixo e jogar ali dentro toda uma (meia) vida planejada. E depois de jogar fora, pegar uma folha em branco, alguns pincéis e voilà! Mas é nessa hora que as coisas ficam difíceis, não é? É mais difícil ter que forçar pintar outro futuro, um futuro que você não sabe como ou com quem vai vivê-lo, apenas sabe que vai alguma coisa. Nunca sai como queremos porque estamos nos forçando a pintar naquele papel em branco uma coisa que não queríamos para nós. Ninguém quer jogar fora planos, sentimentos, um futuro fora. Ninguém. E fica meio difícil lembrar em como nós pintamos aquele antigo futuro, como é que aconteceu? Porque ele foi pintado naturalmente, com o decorrer do curto tempoespaço e agora esse não, a vida tá me obrigando a pintar. Eu tô aqui há alguns dias com esse papel em branco e a única coisa que consegui fazer foi um borrão escuro, meio incerto... E eu tenho tentando olhar o papel de outras pessoas, pra sei lá, tentar ter alguma ideia. Pensei em até pedir para que eu pudesse juntar a minha folha com a de outra pessoa, mas sabe, é injusto isso...
Vai levar algum tempo até eu conseguir pintar um futuro bonito, até isso acontecer vou ficar aqui me sujando de tinta, tentando espiar o futuro dos outros... É, todo recomeço é difícil.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Pássaro de fogo.

Antes de tudo, quero que escute Goodbye My Lover - James Blunt ao ler.

Eu infelizmente não sou dessas que esquece facilmente, ao contrário de ti. Como normalmente coisas boas custam a acontecer, quando acontecem elas ficam na memória e na-da, nem mesmo o tão famoso tempo consegue sequer amenizar o que sinto. Eu sei que não vou te esquecer, isso é uma certeza. Talvez o que eu sinto agora diminua, suma, não sei mas mesmo assim vou me lembrar. Dos bons e maus momentos.
Estou prometendo a mim mesma que este é o meu último texto destinado a ti. Só queria escreve-lo para lhe dizer minhas últimas palavras. Só queria lhe dizer que apesar de tudo, de tudo o que me disse e fez, eu lhe desejo a maior felicidade do mundo. Eu apenas lhe desejo o melhor de tudo, lhe desejo que você consiga entender que pode ser feliz sozinho e que não precisa sentir medo de ficar só pois você é a pessoa mais adorável. Apenas lhe desejo felicidades, tanta felicidade que tenho até esquecido de desejar isso para mim mesma. Não, não importa se estou feliz ou não. Mesmo assim tudo dói, tudo tem doído. Você me dói, a vida e eu mesma me doo então eu simplesmente escolhi me doer a ter que você continuar a me doer. Tenho sentido um vazio imensurável aqui dentro e tenho tentado preencher com tanta coisa fútil e me doo cada vez que faço isso. Eu não vou te culpar por ter ido embora quando mais precisei. Você foi apenas mais um que me abandonou. No mais, não lhe culpo de muita coisa. Também tenho parado de me culpar, a culpa é da vida, do destino, do cosmos, tudo o que é maior que nós. Não vê? Desde o começo, não, nunca estivemos predestinados (como achava que éramos). Mesmo quando queríamos dar certo, a vida não quis. A gente não pode lutar contra isso, muito menos contra o que sentimos... Entretanto, o que estamos fazendo? Lutando contra. E continuaremos e não nos culparemos "não, estou fazendo apenas o que é melhor para mim". Sempre estamos, não? Sempre...
E acabo por fim lhe entendendo, você é egoísta demais para pensar no que sinto, no que quero ou no que estou passando, você só quer saber do que você e ela sentem, e sim, lhe entendo, infelizmente eu sempre lhe entendi. Me odeio por isso. Eu me odeio por tanta coisa, já lhe disse? Me odeio por nunca ter sido o suficiente para ninguém, me odeio por sempre falhar, me odeio por não ser interessante nem bonita o bastante para que alguém fique por mim, me odeio por ser tão isso. E por último, me odeio por ainda me importar, por sentir falta, por sentir saudade, por sentir isso enquanto sequer você se importa se estou bem, se eu me machuquei depois de um acidente... Ah, sim, você teve um dia bonito ao lado dela, obviamente que não se lembraria de mim. Mas está tudo bem. Como já disse, não é o primeiro a fazer isso. Sabe quando lhe disse que era você diferente? Eu havia apostado todas as minhas fichas pois acreditava que sim, que você era. Porém vejo que me decepcionei. Mas tudo bem outra vez.
Eu não vim aqui para (mais uma vez) pôr as cartas na mesa, até porque o baralho já foi guardado. Vim apenas para deixar claro que eu só quero o teu bem, quero te ver feliz. Estou sendo madura o suficiente por nós, para dizer a ti para ser feliz. Por favor, seja feliz. Seja demais. Seja feliz o tanto que não foi ao meu lado. Eu quis que todos os teus sonhos se realizassem ao meu lado, contudo agora só espero que eles simplesmente se realizem. Eu me enchi rápido demais, eu transbordei de amor e você não estava aqui quando isso aconteceu. Sou pela metade, pela metade de tudo. Mas não vou deixar que todos saibam. Nem você deveria saber. Nem eu.
Sei que tenho apenas 17 anos, porém me lembro de quase tudo de que vivi. Lembro de coisas de quando tinha 4 anos, então como insiste em me dizer que vou lhe esquecer? Eu não vou, e não é porque não quero, é porque eu sou uma pessoa intensa demais. Intensidade demais dói. Tudo dói. Mas tudo bem. Tá tudo bem, tudo vai acabar bem. Você me esqueceu, já, não é? Isso já é tão evidente. Eu só não queria lembrar sozinha mas eu vou... Como sempre... Eu já não posso com isso, tem me matado e eu não posso, simplesmente não posso mais. Eu fui embora com uma pitada de esperança de que viria atrás de mim mas não veio. Ela foi embora e você foi atrás dela... Todas as vezes que fui embora, você nunca veio atrás, e como isso dói quando penso. Eu sei que você quer que eu vá, eu já fui. Apenas voltei para que soubesse dessas coisas bobas que queria tanto lhe falar. Estamos em caminhos diferentes, em extremos longe um do outro. Sequer consigo lhe enxergar.
Sim, já vou, entretanto reforço mais uma vez, seja feliz. Muito, muito. Estarei aqui em meu caminho torcendo para que coisas boas aconteçam contigo. E por último, que seja doce para vocês dois.


"Hoje, segues de novo... Na partida nem o pranto os teus olhos umedece. Nem te comove a dor da despedida. E eu, solitário, volto a face e tremo, vendo o teu vulto que desaparece na extrema curva do caminho extremo."