terça-feira, 16 de agosto de 2011

Doses exageradas.

Parece que ontem não aconteceu. Parece que o nosso ontem não aconteceu. E talvez não tenha acontecido mesmo. Tenho sonhado muito e às vezes quando acordo fico meio confusa sem saber se realmente aconteceu ou foi meramente um sonho. Então, será que ontem foi um sonho mesmo? Você ali do meu lado tão perto mas tão distante ao mesmo tempo. Teus olhos olhando dentro dos meus. Tua mão na minha mão. Tua respiração no meu ouvido. Aconteceu mesmo? É que... Como já disse, não parece. Eu só preciso... te dar um tempo, não é? Você quer tempo? Tome, tome quantas doses de tempo que quiser. Eu tomarei muitas doses de paciência então. Entretanto, espero que não fique bêbado com todas essas doses de tempo que estou lhe servindo. O efeito demora passar, sabe? E eu tenho medo que você fique assim sob efeito do tempo porque não poderei lhe fazer nada para que fique sóbrio. Enquanto venho escrevendo isso aqui, mais e mais vou achando que ontem foi apenas um sonho. Mas também devo tomar algumas doses de tempo, sabe o por quê? É que para eu começar a distinguir corretamente o que é sonho e realidade, precisarei de muito tempo também. E infelizmente, sempre que lhe encontro é em meus longos devaneios e é por isso que confundo tanto, sabe? Tudo está confuso e girando e girando e céus, acho que tomei muitas doses de esperança ontem. É um dos efeitos que mais demoram passar, me disseram um dia.
Ou é o amor? Tomei apenas uma dose e até hoje estou cambaleando com a visão embaçada por aí.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Aquela esquina.

Vamos, acorda, moça. Enfia na tua cabeça que as coisas não vão mudar. Vira aquela esquina e vá sozinha. Aqui não tem nada para ti. Não lhe restou mais nada. Siga aquele pássaro. Não, melhor, siga aquela borboleta. Ela sabe aonde lhe guiar. Afinal, ela irá ao lugar certo antes de morrer no fim do dia. Acredite, além dessas nuvens escuras há um lugar que você não vai precisar mais se preocupar. Mas antes, acorde. Acorde, limpe teu coração e vá; que novos ares hão de chegar para ti.

domingo, 7 de agosto de 2011

E a saudade?

Ontem eu tinha me decidido que iria pagar a conta da saudade. Mas não é tão fácil, sabe? Para eu pagar, tem de haver um consentimento de tua parte também. E eu não sei se você quer pagar a sua conta, na verdade, você ainda tem a sua? Porque a minha é gigante. Daquelas que você olha e fala "como eu deixei chegar a esse ponto!?". Bem assim mesmo. Eu perguntei hoje se essa conta da saudade tem validade mas não obtive uma resposta. Será que tem? Eu espero que não porque não quero pagá-la se eu não tiver a certeza de que mês que vem não virá outra. Eu não quero mais contas para pagar. Eu lembro que trabalhei duro para que eu pudesse deixar tudo em dia, eu trabalhei para nos deixar felizes. E agora eu trabalho pra acertar as contas com a saudade. E ela não é que nem a felicidade, com ela não se combina nada. A saudade é maldosa.
Essa semana, sem falta, pretendo combinar com a saudade. Mas antes de tudo, preciso combinar com você. Essa saudade é conjunta, imagino; logo, se formos pagar nossas contas, temos que fazer isso juntos. Mas tudo bem se não quiser pagar. Eu talvez possa também não pagar.
Mas vamos ter que acertar as contas com saudade. Um dia vamos.

sábado, 6 de agosto de 2011

Caminhos.

Nós acabamos percebendo que erramos de caminho uma hora. Uma hora nós olhamos para o céu e percebemos que sequer a Lua está do nosso lado e aí começamos a nos sentir sozinhos, perdidos e sem motivação para continuar. E voltar é quase que impossível porque não lembramos de deixar uma trilha caso alguma coisa aconteça na caminhada. E aí caminhamos, caminhamos sem saber aonde estamos indo e acabamos nos perdendo mais e mais. E ainda tem os que caem em buracos. Eu fui um desses. O meu buraco foi o mais profundo, quero dizer, talvez... Ainda não tive a chance de sair daqui para dar olhada em outros. Caí feio e estou machucada, com frio, com dor... E eu tento lembrar aonde errei pra ter caído aqui e infelizmente eu lembro (e isso vai me assombrar por tanto tempo), eu disse que era preciso seguir um caminho diferente mas eu não pude contar a ninguém e então eu segui. Segui tão sozinha mas eu até que me dei bem - no começo -, só que eu acabei me perdendo outra vez. E custei para achar o meu antigo caminho, tive de andar muito e até hoje tenho marcas em meus pés. Porém o encontrei e pude por alguns dias caminhar sem alguma preocupação aparente. Por alguns dias, apenas. Daí eu me perdi outra vez. Só que dessa vez está pior. Eu caí.
Sabe uma coisa que eu prometi a mim mesma? Que quando eu sair daqui, eu irei andar no caminho certo ao lado da pessoa certa. É promessa e eu tenho que cumprir. Por mim, por você, por nós. Apenas um caminho e nada de voltar atrás. Só que eu ainda espero uma corda pra me ajudar a sair daqui.
Apenas uma corda. E tudo está acabado. Pelo menos por aqui em baixo.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Extremamente.

Uma vez, li que não devemos desistir daquilo que amamos. Mas muitas vezes, nós não temos escolhas e isso acaba sufocando quando você não sabe o que fazer. Quando há apenas motivos, sequer uma escolha. Eu tenho me sentido sem escolhas, ou é desistir ou é desistir. Mas eu não posso desistir daquilo que eu amo e por trás de todo esse semblante que carrego, eu não quero. Porque apesar de ser certo, não é o melhor. Mas eu apenas estou um pouco cansada. Já disse aqui? Emocionalmente cansada, ao pé da letra. Extremamente cansada de ir ao céu e ao inferno em questão de segundos porque é exatamente que a minha vida emocional tem estado. Extremamente cansada de achar que você se transformou na pessoa em que eu temia que você se transformaria e a cada dia que passa, eu só vou tendo a certeza. Extremamente cansada de achar que o nosso destino não vai mudar. Extremamente cansada de desistir e voltar atrás todo dia. Extremamente cansada de esperar você me aparecer e ficar de vez. Extremamente cansada de só ser lembrada quando você está triste. Extremamente cansada de sentir isso, seguir em frente em um caminho que eu não sei aonde vai dar. Mas talvez eu esteja levando isso a muito a sério porque é a única coisa que eu sei fazer é levar a sério. E eu não posso desistir do que amo, mas aí eu lembro de que você desistiu. Sim, você desistiu quando supostamente me amava e eu tentei interpretar como amor próprio, auto proteção mas nada disso explica. E além de estar com esse cansaço, eu tenho me sentido tão doente, doente de pensar, de sentir e de ver essas coisas que me deixam cansada. Estou doente com o pensamento do seu beijo de café intoxicante nos lábios dela... Completamente doente de vontade de ter você.
Extremamente cansada de tentar fazer dar certo sozinha.
Cansada e eu acho que uma boa dormida irá melhorar. Por favor, não apareça essa noite em meus sonhos. Você tem me cansado muito por lá também.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Passou por mim.

"Você passou por mim, passou por dentro de mim como se eu fosse um fantasma. Não havia no teu semblante nenhum sinal da minha presença. Passou por mim como se eu fosse apenas mais uma pessoa no meio da multidão. E quando passou me levou junto contigo, tirou a minha respiração apenas com um murmúrio da tua voz. E você passou por mim e nem sequer a luz do teu olhar me deu. Me faz falta.. Me tornei um monumento ao meu amor destruído, um memorial vivo do que já se foi e não volta mais, e às vezes me pergunto se foi tudo real, se foi real a tua mão a apertar a minha, se foi real aquilo que nos uniu e principalmente se foi real o teu sorriso a iluminar o meu. Passou por mim, e eu estava ali... Está aí? Por acaso lê as minhas palavras de dor? Eu lutei por ti, errei por mim e depois eu lutei como uma guerreira, eu lutei com toda a força que tinha na minha alma pra que tudo voltasse a ser como antes e você sequer percebeu isso. Eu não desisti, mesmo quando foi embora de mim pra partilhar um pedaço do teu amor com outra pessoa. Que culpa tenho eu de ser imperfeita? Que culpa tenho eu de ter manias e vontades? Eu sucumbi a tua partida, e mesmo quando disse que me amava, eu acreditei. E tu passou por mim e eu fiz uma lista de tudo aquilo que eu odiava em ti. A porcaria do papel só tem uma frase: "ele não me amar mais". E eu odeio o fato de te admirar tanto porque a luz que a tua alma emana é tão forte que ofusca o meu espírito. E você vem aqui? Roubou os meus sonhos, roubou o meu ar, roubou as minhas palavras, que merda de mundo é este onde não te tenho junto a mim? Às vezes por um instante te sinto junto a mim, e sinto a batida uníssona dos nossos corações, um momento que só dura um segundo mas que parece uma eternidade.
Passou por mim, meu amor."

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Subverter.

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ Subvertendo e emudecendo.
Tem sido ultimamente as duas coisas que venho fazendo. Tenho rasgado meu peito muitas vezes na tentativa de tirar o que sinto mas eu sei que não é assim que resolve. Infelizmente (felizmente para ti) eu estou começando a me cansar. Eu ultimamente venho acordando desejando que eu não sinta mais isso, sabe? Porque te amar está sendo um fardo. Céus, como detesto admitir isso. Não deveria ser assim, amar você não deveria ser um fardo, amar você deveria ser a melhor coisa só pelo simples fato de que é você. VOCÊ. Só que você não tem facilitado, não é? Você tem feito te amar ser um fardo, você tem feito tudo e mais um pouco para que eu desistisse e começasse a ter apatia pelo o que eu sinto. Você tem me feito desde aquele dia me sentir miserável o bastante para desistir, cada pequena coisinha que você falou eu guardei aqui como uma das minhas maiores dores e ao mesmo tempo que eu tentava não sucumbir, eu sucumbia. Eu revivia cada palavra que você me disse, especialmente aquele "eu não te amo mais, só, sei lá, tenta me esquecer". Eu sucumbi, meu amor. De fato, eu já devo ter desistido várias vezes quando me deito para dormir e meu único pensamento antes de cair no sono é "por favor, que eu encontre algo que me conserte logo". Porque você deve imaginar, é tão ruim sentir que você mesmo não pode se consertar por estar tão quebrado! Eu tenho subvertido cada sentimento e cada palavra que você tem proferido, porque é a única coisa que minha cabeça consegue fazer é dificultar mais e mais o que talvez poderia ter sido simples (desde o início). Tenho emudecido todas as palavras. De fato, nunca fui muito boa com palavras, acabo confundindo e me contradizendo e tenho emudecido - talvez - por opção. Eu ficarei calada, assim como você. Talvez assim, esse sentimento passe assim como passou por você. Assim como você deixou de me amar. Assim como você me deixou, eu lhe deixarei.


ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤ ㅤㅤ ㅤㅤNo meu passado você não pode ficar, acabou.
Acabou? céus, espero que não tenha acabado