sexta-feira, 29 de julho de 2011

À espera.

Deixo minha caixa de entrada aberta à espera do seu e-mail, deixo meu celular ligado à espera da sua mensagem, deixo o meu messenger aberto à espera de um "olá" seu, fico ao lado do telefone à espera da sua ligação. Eu fico esperando como aquelas pessoas que chegam três horas antes no aeroporto para sua primeira viagem internacional. Eu fico esperando como aquelas pessoas que esperam por uma cura de alguma doença terminal. Eu fico esperando como aquelas pessoas no meio do deserto ficam esperando por chuva. Eu fico esperando como se você fosse voltar, me ligar e falar "eu não sei o que eu tinha na cabeça, céus, como pude ser tão cego e te deixar?". Eu tenho tentado ocupar a minha cabeça para não ficar esperando tanto porque esperar nos deixa perturbados. Escuto Radiohead e a primeira pessoa que me vem à cabeça é você, e sempre irá ser você. De fato, qualquer música que eu escutar nesse momento da minha vida eu irei prestar atenção e pensar que é sobre nós dois, ou melhor, sobre eu e você. Sabe o que é pior de tudo? É que eu espero sem sequer ter um sinal de que algo realmente irá chegar. Vai chegar, quero dizer, você vai chegar? Você vai soltar o mundo (mais uma vez) para segurar minha mão? Você vai chegar aqui e me pegar no colo e voltar a me mimar? Porque ando tão carente... Tão carente de ti. Tão carente do teu calor, da tua mão, da tua boca e do teu cheiro. Um dia você vai chegar? Porque eu tenho tanto medo que você demore (mais) e talvez eu estar aqui cansada e indisposta pra te dar todo esse amor. É por isso eu continuo aqui, sabe? Me rastejando de um lado para o outro tentando não me cansar. Esperando displicentemente, hesitando toda hora mas eu espero.
Deixo minha caixa de entrada aberta à espera do seu e-mail, deixo meu celular ligado à espera da sua mensagem, deixo o meu messenger ligado à espera de um "olá" seu, fico ao lado do telefone à espera da sua ligação. Fico a tua espera. Vê se aparece, por favor, logo.

Nenhum comentário:

Postar um comentário