sábado, 31 de dezembro de 2011

A wishful new year to you all.

Então é isso. Acabou. Esse ano tão... diferente, tão difícil e tão repleto de descobertas. Eu queria agradecer até aqueles que me trouxeram dores. De fato, eu quero agradecer apenas. Não foi um dos melhores anos e confesso, a culpa foi minha. Mas tá aí, a vida sempre dá uma chance, certo? 2012 é a minha chance. Assim como espero que seja para todas as outras pessoas. É só ir tentando não é, tentando que uma hora a gente acerta! E uma das coisas que eu mais quero agradecer, talvez agradecer a vida, por ter colocado pessoas maravilhosas na minha vida. Principalmente aquelas que conseguiram mudar todo o rumo do meu ano nos últimos meses. E então, é isso. 


Vamos rir, vamos chorar, vamos gritar, vamos comemorar, vamos esquecer dos problemas só por hoje, vamos sair dessa realidade tão triste, vamos sorrir e abrir os braços pra mais um ano que está chegando para nós. Só vamos ser felizes, acho que isso basta.
FELIZ 2012 PARA NÓS! Que seja doce.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

sábado, 17 de dezembro de 2011

Só pra constar nos registros por aí

"Não pretendo te contar sobre minhas lutas mentais. Você terá nas mãos minha simplicidade e minha leveza, que podem não ser totalmente verdadeiras, mas foram criadas com muito carinho pra não assustar pessoas como você. Não vou ficar falando sobre a complexidade dos meus pensamentos, minha dualidade ou minhas dúvidas sobre qualquer sentimento do mundo. Vou te deixar com a melhor parte, porque eu sei que você merece. Guardo pra mim as crises de identidade e a vontade de sumir. Não vou dissertar sobre minhas fragilidades e minhas inseguranças. Talvez eu te diga algumas vezes sobre minha tristeza, mas só pra ganhar um pouquinho mais de carinho. Ofereço meu bom humor e minha paciência e você deve saber que esta não é uma oferta muito comum.
Se você tivesse chegado antes, eu não teria notado. Se demorasse um pouco mais, eu não teria esperado. Você anda acertando muita coisa, mesmo sem perceber. Você tem me ganhado nos detalhes e aposto que nem desconfia. Mas já que você chegou no momento certo, vou te pedir que fique. Mesmo que o futuro seja de incertezas, mesmo que não haja nada duradouro prescrito pra gente. Esse é um pedido egoísta, porque na verdade eu sei que se nada der realmente certo, vou ficar sem chão. Mas por outro lado, posso te fazer feliz também. É um risco. Eu pulo, se você me der a mão.
Você não precisa saber que eu choro porque me sinto pequena num mundo gigante. Nem que eu faço coisas estúpidas quando estou carente. Você nunca vai saber da minha mania de me expor em palavras, que eu escrevo o tempo todo, em qualquer lugar. Muito menos que eu estou escrevendo sobre você neste exato momento. E não pense que é falta de consideração eu dividir tanto de mim com tanta gente e excluir você dessa minha segunda vida, porque há duas maneiras de saber o que não digo sobre mim: lendo nas entrelinhas dos meus textos e olhando nos meu olhos. E a segunda opção ninguém mais tem."

sábado, 22 de outubro de 2011

Fuga Nº3

Vou pôr a culpa nesse tempo frio, na TPM, no final de mês, vou pôr a culpa em tudo mas menos em mim. Esses últimos dias vêm sendo frios e a minha "imunidade emocional" abaixou muito; e não é porque estou sentindo falta de um abraço ou de alguém pra me esquentar, mesmo que de longe. É só que... Tenho andado triste. Perdi aquela felicidade minúscula que eu usava toda vez ao acordar; não faço ideia aonde foi parar e estou cansada demais para ir atrás para procurá-la. Eu tenho contado os dias para que esse ano acabe e eu possa enfim recomeçar de vez... E eu sei muito bem que isso é só mais uma desculpa pra empurrar com a barriga todos esses problemas. Quando vier 1º de janeiro vai continuar tudo a mesma coisa e eu vou me sentir mais perdedora ainda. Eu só não sei mais o que fazer, sabe? Tô cansada de tentar fazer tudo dar certo e a vida insistir em fazer com que eu saia perdendo em tudo. Já se passou quanto tempo? Meses e meses e até agora o tempo não conseguiu me curar e eu juro que tenho feito o meu melhor... Só queria poder ficar na minha cama, com as minhas músicas melosas, poder esquecer que eu tenho que viver um pouco. Eu sei que isso é covardia mas eu cansei de ser corajosa e enfrentar tudo e mesmo assim conseguir sair perdendo. Eu só queria fugir um pouco da vida.


Hopeless

domingo, 16 de outubro de 2011

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

Life goes on

"Life goes on." 
Sim, a vida continua de uma forma ou outra, sempre continua. O difícil mesmo é saber parar de preencher com coisas fúteis aquele vazio, parar de tapear a nós mesmos e começar a abrir os olhos para o que está por vir. Bem, eu já abri os olhos; vejo claramente que Outubro irá me trazer coisas boas e que esse caminho que venho trilhando talvez não esteja errado. Eu só não consegui até agora parar de tapear minha vida, essa tem sido uma das partes mais difíceis, lembro muito bem quando me disseram a primeira vez que eu sempre sabotava minha vida. De fato, já me sabotei muito; sabotei minha chance de ser feliz ao lado de alguém, sabotei minha chance de fazer algo dar certo, cheguei até a sabotar a vida de alguém que amo... Todavia eu agora consigo enxergar o que eu fiz comigo mesma; cavei um buraco muito profundo e quantas vezes passei noites em claro tentando achar o modo mais fácil e menos doloroso de sair daquele buraco? Muitas vezes... Porém consegui sair dali, claro que com algumas ajudas e agradeço tanto essas pessoas por terem estendido a mão quando mais precisei, quando aquela mão que eu esperava ser estendida, não foi estendida.
Eu fiquei louca, sabe? Perdi minha cabeça e eu tenho que fingir por aí que eu tenho alguma coisa aqui dentro ainda. Quem é que vai querer ficar com alguém desse jeito? Quem é que vai querer ficar comigo agora? Ninguém vai querer. Entretanto, infelizmente, preciso fingir que não sou louca, que não sei mais da razão nem da emoção, preciso fingir. Nessas horas bate um desespero, entende? Um desespero de que talvez eu não vá encontrar alguém que não vai se assustar com essa minha loucura, com meus ciúmes, com minhas manias e sentimentos; desespero de que quando alguém chegar a me conhecer inteiramente não queria ficar comigo porque sou louca... Quem vai compreender minha loucura? Tá, tá, tá, eu sei que apenas eu preciso me entender mas é que... Tá pesado demais isso tudo. Tenho me tapeado demais e às vezes chego até a pensar que todos esses momentos felizes que tenho conseguido viver e aproveitar, são meramente ilusões. Mas é assim mesmo, uma hora tudo vai ficar bem. Uma hora fica bem pra mim, pra você, pra ele, pra ela, pra todos nós. 

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

(Re)viver, (re)começar, (re)amar.

Eu sei, eu sei que todo recomeço é meio difícil mesmo. Ter que pegar aquele futuro planejado, abrir a cesta de lixo e jogar ali dentro toda uma (meia) vida planejada. E depois de jogar fora, pegar uma folha em branco, alguns pincéis e voilà! Mas é nessa hora que as coisas ficam difíceis, não é? É mais difícil ter que forçar pintar outro futuro, um futuro que você não sabe como ou com quem vai vivê-lo, apenas sabe que vai alguma coisa. Nunca sai como queremos porque estamos nos forçando a pintar naquele papel em branco uma coisa que não queríamos para nós. Ninguém quer jogar fora planos, sentimentos, um futuro fora. Ninguém. E fica meio difícil lembrar em como nós pintamos aquele antigo futuro, como é que aconteceu? Porque ele foi pintado naturalmente, com o decorrer do curto tempoespaço e agora esse não, a vida tá me obrigando a pintar. Eu tô aqui há alguns dias com esse papel em branco e a única coisa que consegui fazer foi um borrão escuro, meio incerto... E eu tenho tentando olhar o papel de outras pessoas, pra sei lá, tentar ter alguma ideia. Pensei em até pedir para que eu pudesse juntar a minha folha com a de outra pessoa, mas sabe, é injusto isso...
Vai levar algum tempo até eu conseguir pintar um futuro bonito, até isso acontecer vou ficar aqui me sujando de tinta, tentando espiar o futuro dos outros... É, todo recomeço é difícil.

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Pássaro de fogo.

Antes de tudo, quero que escute Goodbye My Lover - James Blunt ao ler.

Eu infelizmente não sou dessas que esquece facilmente, ao contrário de ti. Como normalmente coisas boas custam a acontecer, quando acontecem elas ficam na memória e na-da, nem mesmo o tão famoso tempo consegue sequer amenizar o que sinto. Eu sei que não vou te esquecer, isso é uma certeza. Talvez o que eu sinto agora diminua, suma, não sei mas mesmo assim vou me lembrar. Dos bons e maus momentos.
Estou prometendo a mim mesma que este é o meu último texto destinado a ti. Só queria escreve-lo para lhe dizer minhas últimas palavras. Só queria lhe dizer que apesar de tudo, de tudo o que me disse e fez, eu lhe desejo a maior felicidade do mundo. Eu apenas lhe desejo o melhor de tudo, lhe desejo que você consiga entender que pode ser feliz sozinho e que não precisa sentir medo de ficar só pois você é a pessoa mais adorável. Apenas lhe desejo felicidades, tanta felicidade que tenho até esquecido de desejar isso para mim mesma. Não, não importa se estou feliz ou não. Mesmo assim tudo dói, tudo tem doído. Você me dói, a vida e eu mesma me doo então eu simplesmente escolhi me doer a ter que você continuar a me doer. Tenho sentido um vazio imensurável aqui dentro e tenho tentado preencher com tanta coisa fútil e me doo cada vez que faço isso. Eu não vou te culpar por ter ido embora quando mais precisei. Você foi apenas mais um que me abandonou. No mais, não lhe culpo de muita coisa. Também tenho parado de me culpar, a culpa é da vida, do destino, do cosmos, tudo o que é maior que nós. Não vê? Desde o começo, não, nunca estivemos predestinados (como achava que éramos). Mesmo quando queríamos dar certo, a vida não quis. A gente não pode lutar contra isso, muito menos contra o que sentimos... Entretanto, o que estamos fazendo? Lutando contra. E continuaremos e não nos culparemos "não, estou fazendo apenas o que é melhor para mim". Sempre estamos, não? Sempre...
E acabo por fim lhe entendendo, você é egoísta demais para pensar no que sinto, no que quero ou no que estou passando, você só quer saber do que você e ela sentem, e sim, lhe entendo, infelizmente eu sempre lhe entendi. Me odeio por isso. Eu me odeio por tanta coisa, já lhe disse? Me odeio por nunca ter sido o suficiente para ninguém, me odeio por sempre falhar, me odeio por não ser interessante nem bonita o bastante para que alguém fique por mim, me odeio por ser tão isso. E por último, me odeio por ainda me importar, por sentir falta, por sentir saudade, por sentir isso enquanto sequer você se importa se estou bem, se eu me machuquei depois de um acidente... Ah, sim, você teve um dia bonito ao lado dela, obviamente que não se lembraria de mim. Mas está tudo bem. Como já disse, não é o primeiro a fazer isso. Sabe quando lhe disse que era você diferente? Eu havia apostado todas as minhas fichas pois acreditava que sim, que você era. Porém vejo que me decepcionei. Mas tudo bem outra vez.
Eu não vim aqui para (mais uma vez) pôr as cartas na mesa, até porque o baralho já foi guardado. Vim apenas para deixar claro que eu só quero o teu bem, quero te ver feliz. Estou sendo madura o suficiente por nós, para dizer a ti para ser feliz. Por favor, seja feliz. Seja demais. Seja feliz o tanto que não foi ao meu lado. Eu quis que todos os teus sonhos se realizassem ao meu lado, contudo agora só espero que eles simplesmente se realizem. Eu me enchi rápido demais, eu transbordei de amor e você não estava aqui quando isso aconteceu. Sou pela metade, pela metade de tudo. Mas não vou deixar que todos saibam. Nem você deveria saber. Nem eu.
Sei que tenho apenas 17 anos, porém me lembro de quase tudo de que vivi. Lembro de coisas de quando tinha 4 anos, então como insiste em me dizer que vou lhe esquecer? Eu não vou, e não é porque não quero, é porque eu sou uma pessoa intensa demais. Intensidade demais dói. Tudo dói. Mas tudo bem. Tá tudo bem, tudo vai acabar bem. Você me esqueceu, já, não é? Isso já é tão evidente. Eu só não queria lembrar sozinha mas eu vou... Como sempre... Eu já não posso com isso, tem me matado e eu não posso, simplesmente não posso mais. Eu fui embora com uma pitada de esperança de que viria atrás de mim mas não veio. Ela foi embora e você foi atrás dela... Todas as vezes que fui embora, você nunca veio atrás, e como isso dói quando penso. Eu sei que você quer que eu vá, eu já fui. Apenas voltei para que soubesse dessas coisas bobas que queria tanto lhe falar. Estamos em caminhos diferentes, em extremos longe um do outro. Sequer consigo lhe enxergar.
Sim, já vou, entretanto reforço mais uma vez, seja feliz. Muito, muito. Estarei aqui em meu caminho torcendo para que coisas boas aconteçam contigo. E por último, que seja doce para vocês dois.


"Hoje, segues de novo... Na partida nem o pranto os teus olhos umedece. Nem te comove a dor da despedida. E eu, solitário, volto a face e tremo, vendo o teu vulto que desaparece na extrema curva do caminho extremo."

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Doses exageradas.

Parece que ontem não aconteceu. Parece que o nosso ontem não aconteceu. E talvez não tenha acontecido mesmo. Tenho sonhado muito e às vezes quando acordo fico meio confusa sem saber se realmente aconteceu ou foi meramente um sonho. Então, será que ontem foi um sonho mesmo? Você ali do meu lado tão perto mas tão distante ao mesmo tempo. Teus olhos olhando dentro dos meus. Tua mão na minha mão. Tua respiração no meu ouvido. Aconteceu mesmo? É que... Como já disse, não parece. Eu só preciso... te dar um tempo, não é? Você quer tempo? Tome, tome quantas doses de tempo que quiser. Eu tomarei muitas doses de paciência então. Entretanto, espero que não fique bêbado com todas essas doses de tempo que estou lhe servindo. O efeito demora passar, sabe? E eu tenho medo que você fique assim sob efeito do tempo porque não poderei lhe fazer nada para que fique sóbrio. Enquanto venho escrevendo isso aqui, mais e mais vou achando que ontem foi apenas um sonho. Mas também devo tomar algumas doses de tempo, sabe o por quê? É que para eu começar a distinguir corretamente o que é sonho e realidade, precisarei de muito tempo também. E infelizmente, sempre que lhe encontro é em meus longos devaneios e é por isso que confundo tanto, sabe? Tudo está confuso e girando e girando e céus, acho que tomei muitas doses de esperança ontem. É um dos efeitos que mais demoram passar, me disseram um dia.
Ou é o amor? Tomei apenas uma dose e até hoje estou cambaleando com a visão embaçada por aí.

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Aquela esquina.

Vamos, acorda, moça. Enfia na tua cabeça que as coisas não vão mudar. Vira aquela esquina e vá sozinha. Aqui não tem nada para ti. Não lhe restou mais nada. Siga aquele pássaro. Não, melhor, siga aquela borboleta. Ela sabe aonde lhe guiar. Afinal, ela irá ao lugar certo antes de morrer no fim do dia. Acredite, além dessas nuvens escuras há um lugar que você não vai precisar mais se preocupar. Mas antes, acorde. Acorde, limpe teu coração e vá; que novos ares hão de chegar para ti.

domingo, 7 de agosto de 2011

E a saudade?

Ontem eu tinha me decidido que iria pagar a conta da saudade. Mas não é tão fácil, sabe? Para eu pagar, tem de haver um consentimento de tua parte também. E eu não sei se você quer pagar a sua conta, na verdade, você ainda tem a sua? Porque a minha é gigante. Daquelas que você olha e fala "como eu deixei chegar a esse ponto!?". Bem assim mesmo. Eu perguntei hoje se essa conta da saudade tem validade mas não obtive uma resposta. Será que tem? Eu espero que não porque não quero pagá-la se eu não tiver a certeza de que mês que vem não virá outra. Eu não quero mais contas para pagar. Eu lembro que trabalhei duro para que eu pudesse deixar tudo em dia, eu trabalhei para nos deixar felizes. E agora eu trabalho pra acertar as contas com a saudade. E ela não é que nem a felicidade, com ela não se combina nada. A saudade é maldosa.
Essa semana, sem falta, pretendo combinar com a saudade. Mas antes de tudo, preciso combinar com você. Essa saudade é conjunta, imagino; logo, se formos pagar nossas contas, temos que fazer isso juntos. Mas tudo bem se não quiser pagar. Eu talvez possa também não pagar.
Mas vamos ter que acertar as contas com saudade. Um dia vamos.

sábado, 6 de agosto de 2011

Caminhos.

Nós acabamos percebendo que erramos de caminho uma hora. Uma hora nós olhamos para o céu e percebemos que sequer a Lua está do nosso lado e aí começamos a nos sentir sozinhos, perdidos e sem motivação para continuar. E voltar é quase que impossível porque não lembramos de deixar uma trilha caso alguma coisa aconteça na caminhada. E aí caminhamos, caminhamos sem saber aonde estamos indo e acabamos nos perdendo mais e mais. E ainda tem os que caem em buracos. Eu fui um desses. O meu buraco foi o mais profundo, quero dizer, talvez... Ainda não tive a chance de sair daqui para dar olhada em outros. Caí feio e estou machucada, com frio, com dor... E eu tento lembrar aonde errei pra ter caído aqui e infelizmente eu lembro (e isso vai me assombrar por tanto tempo), eu disse que era preciso seguir um caminho diferente mas eu não pude contar a ninguém e então eu segui. Segui tão sozinha mas eu até que me dei bem - no começo -, só que eu acabei me perdendo outra vez. E custei para achar o meu antigo caminho, tive de andar muito e até hoje tenho marcas em meus pés. Porém o encontrei e pude por alguns dias caminhar sem alguma preocupação aparente. Por alguns dias, apenas. Daí eu me perdi outra vez. Só que dessa vez está pior. Eu caí.
Sabe uma coisa que eu prometi a mim mesma? Que quando eu sair daqui, eu irei andar no caminho certo ao lado da pessoa certa. É promessa e eu tenho que cumprir. Por mim, por você, por nós. Apenas um caminho e nada de voltar atrás. Só que eu ainda espero uma corda pra me ajudar a sair daqui.
Apenas uma corda. E tudo está acabado. Pelo menos por aqui em baixo.

sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Extremamente.

Uma vez, li que não devemos desistir daquilo que amamos. Mas muitas vezes, nós não temos escolhas e isso acaba sufocando quando você não sabe o que fazer. Quando há apenas motivos, sequer uma escolha. Eu tenho me sentido sem escolhas, ou é desistir ou é desistir. Mas eu não posso desistir daquilo que eu amo e por trás de todo esse semblante que carrego, eu não quero. Porque apesar de ser certo, não é o melhor. Mas eu apenas estou um pouco cansada. Já disse aqui? Emocionalmente cansada, ao pé da letra. Extremamente cansada de ir ao céu e ao inferno em questão de segundos porque é exatamente que a minha vida emocional tem estado. Extremamente cansada de achar que você se transformou na pessoa em que eu temia que você se transformaria e a cada dia que passa, eu só vou tendo a certeza. Extremamente cansada de achar que o nosso destino não vai mudar. Extremamente cansada de desistir e voltar atrás todo dia. Extremamente cansada de esperar você me aparecer e ficar de vez. Extremamente cansada de só ser lembrada quando você está triste. Extremamente cansada de sentir isso, seguir em frente em um caminho que eu não sei aonde vai dar. Mas talvez eu esteja levando isso a muito a sério porque é a única coisa que eu sei fazer é levar a sério. E eu não posso desistir do que amo, mas aí eu lembro de que você desistiu. Sim, você desistiu quando supostamente me amava e eu tentei interpretar como amor próprio, auto proteção mas nada disso explica. E além de estar com esse cansaço, eu tenho me sentido tão doente, doente de pensar, de sentir e de ver essas coisas que me deixam cansada. Estou doente com o pensamento do seu beijo de café intoxicante nos lábios dela... Completamente doente de vontade de ter você.
Extremamente cansada de tentar fazer dar certo sozinha.
Cansada e eu acho que uma boa dormida irá melhorar. Por favor, não apareça essa noite em meus sonhos. Você tem me cansado muito por lá também.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Passou por mim.

"Você passou por mim, passou por dentro de mim como se eu fosse um fantasma. Não havia no teu semblante nenhum sinal da minha presença. Passou por mim como se eu fosse apenas mais uma pessoa no meio da multidão. E quando passou me levou junto contigo, tirou a minha respiração apenas com um murmúrio da tua voz. E você passou por mim e nem sequer a luz do teu olhar me deu. Me faz falta.. Me tornei um monumento ao meu amor destruído, um memorial vivo do que já se foi e não volta mais, e às vezes me pergunto se foi tudo real, se foi real a tua mão a apertar a minha, se foi real aquilo que nos uniu e principalmente se foi real o teu sorriso a iluminar o meu. Passou por mim, e eu estava ali... Está aí? Por acaso lê as minhas palavras de dor? Eu lutei por ti, errei por mim e depois eu lutei como uma guerreira, eu lutei com toda a força que tinha na minha alma pra que tudo voltasse a ser como antes e você sequer percebeu isso. Eu não desisti, mesmo quando foi embora de mim pra partilhar um pedaço do teu amor com outra pessoa. Que culpa tenho eu de ser imperfeita? Que culpa tenho eu de ter manias e vontades? Eu sucumbi a tua partida, e mesmo quando disse que me amava, eu acreditei. E tu passou por mim e eu fiz uma lista de tudo aquilo que eu odiava em ti. A porcaria do papel só tem uma frase: "ele não me amar mais". E eu odeio o fato de te admirar tanto porque a luz que a tua alma emana é tão forte que ofusca o meu espírito. E você vem aqui? Roubou os meus sonhos, roubou o meu ar, roubou as minhas palavras, que merda de mundo é este onde não te tenho junto a mim? Às vezes por um instante te sinto junto a mim, e sinto a batida uníssona dos nossos corações, um momento que só dura um segundo mas que parece uma eternidade.
Passou por mim, meu amor."

segunda-feira, 1 de agosto de 2011

Subverter.

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ Subvertendo e emudecendo.
Tem sido ultimamente as duas coisas que venho fazendo. Tenho rasgado meu peito muitas vezes na tentativa de tirar o que sinto mas eu sei que não é assim que resolve. Infelizmente (felizmente para ti) eu estou começando a me cansar. Eu ultimamente venho acordando desejando que eu não sinta mais isso, sabe? Porque te amar está sendo um fardo. Céus, como detesto admitir isso. Não deveria ser assim, amar você não deveria ser um fardo, amar você deveria ser a melhor coisa só pelo simples fato de que é você. VOCÊ. Só que você não tem facilitado, não é? Você tem feito te amar ser um fardo, você tem feito tudo e mais um pouco para que eu desistisse e começasse a ter apatia pelo o que eu sinto. Você tem me feito desde aquele dia me sentir miserável o bastante para desistir, cada pequena coisinha que você falou eu guardei aqui como uma das minhas maiores dores e ao mesmo tempo que eu tentava não sucumbir, eu sucumbia. Eu revivia cada palavra que você me disse, especialmente aquele "eu não te amo mais, só, sei lá, tenta me esquecer". Eu sucumbi, meu amor. De fato, eu já devo ter desistido várias vezes quando me deito para dormir e meu único pensamento antes de cair no sono é "por favor, que eu encontre algo que me conserte logo". Porque você deve imaginar, é tão ruim sentir que você mesmo não pode se consertar por estar tão quebrado! Eu tenho subvertido cada sentimento e cada palavra que você tem proferido, porque é a única coisa que minha cabeça consegue fazer é dificultar mais e mais o que talvez poderia ter sido simples (desde o início). Tenho emudecido todas as palavras. De fato, nunca fui muito boa com palavras, acabo confundindo e me contradizendo e tenho emudecido - talvez - por opção. Eu ficarei calada, assim como você. Talvez assim, esse sentimento passe assim como passou por você. Assim como você deixou de me amar. Assim como você me deixou, eu lhe deixarei.


ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤ ㅤㅤ ㅤㅤNo meu passado você não pode ficar, acabou.
Acabou? céus, espero que não tenha acabado

sexta-feira, 29 de julho de 2011

À espera.

Deixo minha caixa de entrada aberta à espera do seu e-mail, deixo meu celular ligado à espera da sua mensagem, deixo o meu messenger aberto à espera de um "olá" seu, fico ao lado do telefone à espera da sua ligação. Eu fico esperando como aquelas pessoas que chegam três horas antes no aeroporto para sua primeira viagem internacional. Eu fico esperando como aquelas pessoas que esperam por uma cura de alguma doença terminal. Eu fico esperando como aquelas pessoas no meio do deserto ficam esperando por chuva. Eu fico esperando como se você fosse voltar, me ligar e falar "eu não sei o que eu tinha na cabeça, céus, como pude ser tão cego e te deixar?". Eu tenho tentado ocupar a minha cabeça para não ficar esperando tanto porque esperar nos deixa perturbados. Escuto Radiohead e a primeira pessoa que me vem à cabeça é você, e sempre irá ser você. De fato, qualquer música que eu escutar nesse momento da minha vida eu irei prestar atenção e pensar que é sobre nós dois, ou melhor, sobre eu e você. Sabe o que é pior de tudo? É que eu espero sem sequer ter um sinal de que algo realmente irá chegar. Vai chegar, quero dizer, você vai chegar? Você vai soltar o mundo (mais uma vez) para segurar minha mão? Você vai chegar aqui e me pegar no colo e voltar a me mimar? Porque ando tão carente... Tão carente de ti. Tão carente do teu calor, da tua mão, da tua boca e do teu cheiro. Um dia você vai chegar? Porque eu tenho tanto medo que você demore (mais) e talvez eu estar aqui cansada e indisposta pra te dar todo esse amor. É por isso eu continuo aqui, sabe? Me rastejando de um lado para o outro tentando não me cansar. Esperando displicentemente, hesitando toda hora mas eu espero.
Deixo minha caixa de entrada aberta à espera do seu e-mail, deixo meu celular ligado à espera da sua mensagem, deixo o meu messenger ligado à espera de um "olá" seu, fico ao lado do telefone à espera da sua ligação. Fico a tua espera. Vê se aparece, por favor, logo.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Não se acaba.

Hoje, mais uma vez, me peguei escutando essas músicas aí que todos chamam de "fossa". Estava escutando "I Don't Love You" do My Chemical Romance. De certa forma, infelizmente, me identifiquei com essa maldita música. Digo maldita pelo simples fato de você ter feito o que ele menciona no refrão. Já escutou? Não? Bem, ele diz "Quando você partir você ainda voltará para dizer 'Eu não te amo como amava ontem'?". Percebeu alguma semelhança? Sim... Você fez isso. Você disse que não me amava mais. E me arrisco a dizer que não existe pior coisa, mais dolorosa do que ouvir isso de alguém que você ama, não, eu realmente acredito que não exista coisa pior para se ouvir. Nunca havia me passado na cabeça que alguém teria a coragem de falar isso pra mim, não porque eu sou uma pessoa amável e que supostamente devo ser amada por todos, não.. Nada disso, mas só pelo simples fato de que é amor, sabe? Nós não "desamamos" assim, de uma hora pra outra e porque é tão mas tão forte esse "não te amo mais". Durante anos e anos eu assisti a filmes em que isso era constante e eu me estremecia e murmurava "céus, ouvir isso deve ser a pior coisa do mundo." e de fato é. Infelizmente, uma pessoa tão linda e tão importante como você me disse isso e eu terei de levar para o resto da minha vida, sabe? "Ele disse isso, ele disse..."; às vezes nos meus devaneios durante a madrugada, penso que você poderia muito bem não ter falado nada, só "não, não dá mais." e eu poderia ter aceitado melhor, sabe? Não teria doído tanto, às vezes omitir algo é tão bom. Eu teria aceitado e não teria me dilacerado tanto. Eu me lembro exatamente do dia em que você me disse isso, e cara, eu faço o meu melhor para não lembrar porque dói (muito). Tem exatamente um mês e céus, um mês de muita força. Porque quando eu quero ter aquele autodesprezo, sabe, eu penso no que você falou e além do mais, não foi só o eu não te amo mais, mas o "tenta me esquecer" que, sinceramente, foi mais uma facada no coração. Como se fosse fácil, não é? Desde então, eu tenho tentado não te amar mais, eu não quero te amar mais; assim como fez. Mas não é fácil, eu sou muito intensa e tenho mania de amar com tudo, sabe? Amar de verdade. Amar cegamente. Virar uma refém do amor. De você. Mas tudo bem, você teve a coragem de se virar e falar que não me amava mais. Era só isso que eu queria lhe dizer, você teve essa coragem. Que de fato, não é coragem e sim covardia. Porque apenas covardes dizem isso pois querem ver a pessoa sofrer ao ouvir isso, e eu tento te entender e acabo entendendo, eu também fui covarde contigo, muito por sinal e até é justo você querer fazer isso. Mas você foi covarde ao dizer que não me ama mais porque não é assim que se resolvem as coisas, não é assim. Você não pode dizer isso para uma pessoa. E eu espero, muito mesmo, que nunca ninguém lhe diga isso pois é a pior sensação do mundo, é uma sensação de perda e impotência imensurável, espero que a pessoa apenas lhe diga que não dá mais e omita a verdade, de que não lhe ama mais.
Quando não existe isso de não amar mais, pois amor não se acaba assim. Não, não se acaba.

terça-feira, 26 de julho de 2011

Eu me tornei tão patética. Tão vazia. Tão só. Tão autodestrutiva. Tão você.
E eu achei realmente que eu poderia lhe preencher, sei lá, pensei que poderíamos nos preencher outra vez. Nos preencher com nosso vazio. O nosso tão bonito vazio. Entretanto, você não quis. Por que eu fui acreditar que você era diferente de todos os outros? Ei, eu sei que fui realmente diferente dessa garota tão doce que você está se apaixonando. Sei que fui, do extremo bom ao extremo ruim. Porém, independentemente do que nos aconteceu, do que eu lhe fiz, achei realmente que você fosse maduro o suficiente de chegar em mim e me falar o que está acontecendo e não ficar me evitando ou fugindo como se eu fosse o caçador. Seria bem melhor, pois assim eu não iria criar histórias e mais histórias aqui na minha cabeça. Porque imagino que você saiba exatamente como eu sou com minhas suposições. Achei que você era diferente. Eu até lhe disse isso, se lembra? "Porque você é diferente. - Mas por que eu? - Porque eu te escolhi." Se lembra? Ou já ignorou como tem feito comigo nesses dois últimos dias?
Você é mesmo diferente? Eu sei que não tem que me provar na-da. Mas você era o meu ideal, aquele-que-seria-o-primeiro-da-minha-vida. Só que infelizmente, terei que me contentar com o você-está-só-sendo-mais-um-idiota-que-eu-achei-que-era-diferente.
Mas não dá. Você mesmo fazendo merda assim, eu continuo achando que vale a pena, que você é aquele. Aquele que eu sempre esperei, não sei o porquê de achar isso mas eu apenas sei.

domingo, 24 de julho de 2011

Poço do poço.

Percebi que eu gosto do poço. Dessa coisa úmida, cheia de lodo, escura, estreita, familiar... Hoje me disseram que eu gosto de me jogar no poço, mas será que é isso mesmo? Toda vez que eu escalo, me firo e tento chegar ao topo, mas quando eu chego, sinto que algo me empurra e outra vez eu caio, lentamente, me arranhando, me machucando e por fim, fico no chão, agonizando esses ferimentos que fiz ao tentar subir, esses ferimentos antigos, e essa dor por não conseguir sair do poço. Eu realmente estou no poço do poço do poço, sabe? Aquele tão fundo que sequer conseguimos enxergar uma fresta de luz. E céus, isso assusta tanto! Porque toda vez que você aparece, com essa tua luz pequena mas que faz um diferença tão grande na minha escuridão, aí você vem, me ilumina, me dá esperanças e essa luz dura pouco, tão pouco... Depois ela se apaga e eu fico desesperada procurando-a, e eu grito "ei, me mostre tua luz outra vez, a acenda, por favor, brilhe mais uma vez para mim!" mas aí você não me responde e eu acabo percebendo que você se foi. Se foi mesmo? Ou só está ali ao lado, sentado, confuso e pensando se me responde? Céus... Você não sabe como é ruim estar no poço. Apesar de gostar (eu realmente gosto?), aqui às vezes é assustador, sabe? Às vezes acho que não vou sair daqui, que não vou conseguir escalar sozinha. Mas se eu caí aqui sozinha, sairei sozinha... É assim que as coisas funcionam né? Se eu amo sozinha, desamarei sozinha (se é que isso existe). Se eu caí sozinha, me levantarei sozinha. Infelizmente talvez funcione assim. E eu tenho pensado muito nesse negócio de funcionar - aqui em baixo, tenho tempo de sobra pra pensar -, do meu jeito nunca funciona. Nunca funcionou, eu sou meio pro lado negativo, sabe? Sempre tenderei a fazer as coisas darem errado. Daí eu penso que seria melhor se tentássemos outra vez, poderia ser do teu jeito. Do teu jeito me parece o certo, acho que você sempre soube o que era melhor e certo para nós dois. Do teu jeito teríamos sido felizes, do teu jeito teríamos nos preenchido de um jeito único. Do teu jeito, nós estaríamos juntos ainda. Mas foi do me jeito, e do meu jeito eu acabei caindo no poço do poço enquanto você conseguiu se salvar, conseguiu voar e aí você pode voltar quando bem entender pra brilhar essa tua luz, e brilha tanto quando você aparece... Vem me salvar desse poço. Eu posso até gostar daqui mas prefiro estar ao teu lado.

i need you so much closer.

sexta-feira, 22 de julho de 2011

Transatlanticism

Eu passei a noite toda esperando algum sinal de ti. Noite retrasada eu não havia esperado e aquilo me deu um susto, não por ter me acordado mas por sei lá, você sabe, depois de tanto tempo, eu já havia me esquecido como era receber um boa noite teu. Na verdade, eu já me esqueci de tanta coisa... Quando a gente fica martirizando tanto uma coisa que acaba esquecendo as coisas boas, sabe? Eu queria relembrar, céus, como eu queria! Mas... Tudo o que eu me lembro foi o quanto o nosso amor se reduziu a isso, a você aí e eu aqui. Uma coisa distante, pequena e sem importância (pelo menos para ti). Você vê? Ele se reduziu a isso, você quis reduzi-lo. Eu tenho me lembrado só destas coisas, sabe? Do quanto você me magoou com tuas palavras, do quanto eu quis te odiar por ter feito isso mas eu não podia lhe culpar porque você tinha direito, eu lhe magoei primeiro e bem, é carma. Eu me lembro vagamente das poucas palavras bonitas que você me disse durante esse período... De que você só via tendo um futuro e você sabe, comigo. De que por mais que isso fosse complicado, eu era a que você queria. Mas não pareceu... Não foi desse jeito. Você decidiu arriscar por algo que podia ser passageiro, mas até agora não foi e eu detesto não ter razão, sabe? Porque às vezes eu paro e penso "droga, eu não tenho razão nem sobre mim mesma!". Eu quis tanto que você mudasse de ideia, que voltasse atrás - apesar desse seu orgulho - e sei lá, me ligasse e falasse "me desculpa, vamos voltar". Mas isso não ia acontecer, isso não vai acontecer. Nós dois erramos. E você sabe muito bem disso. Nós poderíamos recomeçar, do zero, sem nenhum erro, como se nós fossemos dois estranhos outra vez, dois estranhos... Tudo isso podia significar algo, sabe? Eu não vou criar expectativas pois sei que não é o que estou pensando e como eu queria que fosse. Como eu quero.


Eu continuo a sussurrar "I need you so much closer..."

segunda-feira, 18 de julho de 2011

ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ ㅤㅤ Desculpe.
Assim, desculpe por tudo. Por ter entrado na tua vida e ter feito essa bagunça. (Eu realmente fui capaz de fazer isso? É que sempre achei que nunca teria capacidade disso) Desculpe mesmo. Desde o momento em que eu falei contigo até sei lá, a última vez que nos falamos. Eu fui um erro e continuo sendo na tua vida e a única coisa que você tentou fazer desde o começo foi me consertar e eu não deixei, aí agora você me quer longe. E eu entendo. Eu não sabia que eu era um erro (tão grande) assim e isso me deixa triste porque sozinha não sei me consertar, sozinha não posso pegar a borracha me apagar. Eu me sinto muito culpada e por favor, me deixe sentir desse jeito. É uma forma de auto punição e eu sei, não faz bem mas desde quando eu faço alguma coisa que faz bem? Eu baguncei tua vida e a única coisa que eu quis desde então era só te arrumar, sabe? Eu ía arrumar e pôr tudo no mesmo lugar e aí você poderia também me arrumar. Eu sei que fui uma pessoa complicada e difícil todo o tempo em que estive ao teu lado, eu fui uma pessoa horrível e não lhe dei o que você me dava. Sim, eu sei de todas as coisas. Faço questão de me lembrar pois só assim eu consigo mudar, sabe? E lhe digo, mudar não é fácil.

domingo, 17 de julho de 2011

sábado, 16 de julho de 2011

Portas fechadas, nº 1.

Talvez eu deva ser um pouco mais idiota. Essas idiotas que quando se apaixonam ficam se vangloriando, ficam se expondo tanto que acabam sendo idiotas. Mas são idiotas apaixonadas. Eu já fui uma vez assim, desde então nunca mais, quando percebi o quanto isso era errado (para mim). Quando eu me tornei uma idiota apaixonada, eu abri portas que não deveriam ter sido abertas, sabe? Eu deixei com que entrassem e assim fui atacada. Pegaram meu coração e o destroçaram sem nenhum pudor e saíram ilesos. Demorei 2 anos para me recuperar e fechei mais uma vez a porta. Desde então, prometi a mim mesma que nunca mais seria uma idiota apaixonada. E não fui, até que lhe encontrei. Porém continuei com minha promessa, jamais abrir minha porta, e não abri. Você interpretou a minha porta fechada como se fosse uma indiferença a você, ao que você sentia e muito pior, que eu sentia vergonha de ti. Eu sempre tive esse mania de idealizar o que eu sentia, sabe? Eu idealizei o que eu sentia por você. Para mim, o nosso amor deveria ser protegido, porque desde quando nos conhecemos tive um medo imenso de que ele acabasse. Eu me afastei muitas vezes por ter medo do que iria se tornar, você poderia ter uma cópia da chave da minha porta e isso era tão assustador. Quanto mais tempo se passou o meu amor foi se idealizando e se tornando essa coisa monstruosa que é hoje. Porque você conseguiu a cópia da chave. E entrou, droga, eu me tornei outra vez uma idiota apaixonada e quando eu percebi já era tarde. Creio que você também idealizou muito o nosso amor, e quando você entrou se decepcionou do que viu, percebeu que aqui dentro não há nada e essa super proteção que eu tinha era só fachada. É, eu tenho essa mania de dar vida imaginária ao que é morto. Nesse dois últimos dois meses tenho sido uma idiota e olha o que aconteceu, entraram outra vez aqui e destroçaram meu coração. Eu quebrei minha promessa pra mostrar o que eu sentia, só que você não conseguiu me ver além dessa vez. Não, você não quis me ver. Mas eu não posso te fazer abrir os olhos, não sou eu que tem que fazer isso, e sim você. Eu me levantei, fechei a porta e a tranquei. Dei a chave a um estranho que conheci esse mês. Espero nunca mais voltar aqui.
Talvez a resposta esteja realmente além da porta amarela, porém estou cansada de abrir e fechar portas.

domingo, 3 de julho de 2011

Cara... As coisas não estão certas.
Elas não deveriam estar assim. Não estava nos meus planos tentar te esquecer.

sábado, 2 de julho de 2011

"Deixa que a loucura escorra em tuas veias. E quando te ferirem, deixa que o sangue jorre enlouquecendo também os que te feriram."



Pode deixar.

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Importante importar-se?

Por que as pessoas sempre acabam esperando o que eu nem consigo esperar de mim? (às vezes acabo nem me importando comigo para me importar com os outros)
E o pior é que ninguém consegue ver meu lado, não, ninguém, ninguém se IMPORTA em ver isso. Só se importam em serem importantes, apenas isso. Se forem, está tudo bem. Quanto a nós que (aparentemente) não nos importamos, não nos resta nada, a não ser nos importamos com elas, sem nunca sequer questionar se se importam.
É obrigatório se importar? E eu que me importo com esse se importar de nos fazermos tão importantes na vida dos que não se importam?
Importante, não?