domingo, 18 de julho de 2010

Pouco a perguntar

As luzes se apagaram, todos foram dormir e eu estou aqui rondando todo canto desta cidade em minha mente. Nunca desejei tanto por um cigarro como estou desejando agora, por um conforto artificial e passageiro. E eu, eu simplesmente não consigo mais enganar minha mente, esse "está tudo bem" não é mais apaziguador. Já são quase 4 da manhã e eu ainda não achei uma resposta plausível para que eu possa sobreviver mais um dia. A cada hora que passa, minha cabeça aumenta o furacão. Eu estou pedindo ajuda para as estrelas, porém esta madrugada elas estão parecendo tão mortas... Ou sou eu que as vejo desta maneira? Pela primeira vez, eu acho que estou com medo do escuro e mais medo ainda de quando o dia começar a amanhecer, pois não sei o que irei fazer.



2 comentários:

  1. tenha sempre um fosforo por perto pra algum dia acender quando a escuridao chegar.

    ResponderExcluir
  2. Amei o texto. Acho que porque me senti assim muitas vezes, e por ter me refugiado em um cigarro qualquer, "um conforto artificial e passageiro".
    Voltarei sempre :D

    ResponderExcluir